DEPOIMENTO DE UM CONCURSEIRO VITORIOSO

Conheça a história de Leonardo César, que com apenas 24 anos já coleciona algumas aprovações, como a de Professor do Conservatório Pernambucano de Música, Técnico Administrativo do MPU/PE, em 2010, e Analista de Planejamento e Orçamento do MPU/PE em 2013. E sempre ocupando as primeiras colocações!

A PRIMEIRA APROVAÇÃO
O primeiro concurso que fiz foi na minha área mesmo – sou Licenciado em Música pela UFPE. Eu tinha uns 19 anos e saiu o edital para professor do Conservatório Pernambucano de Música (3º lugar). Concorri às vagas de Violão Popular, fui aprovado, mas não pude assumir porque ainda estava no 5º período do meu curso e o cargo exigia graduação. Comecei a me interessar pelo mundo dos concursos e mais ou menos por volta do segundo semestre de 2009, decidi que queria ser auditor. Não tinha ideia de onde eu estava me metendo (rsrsrsrsr).

CONTINUIDADE DOS ESTUDOS
De início, sem orientação, estudava de maneira totalmente errada. Usava qualquer apostila que achava na internet, não entendia quase nada dos assuntos, nem sonhava em ter dinheiro pra pagar um cursinho (minha família não tinha muitas condições…). Busquei me informar mais e cheguei à conclusão de que para passar no que eu queria (quero) teria que me dedicar muito mais. Pagava oito cadeiras na universidade mais umas quatro no Conservatório, dava aulas particulares de violão, tocava em umas 3 ou 4 bandas…

Sabia que precisava mudar. Mudei o que pude nessa rotina e comecei a pegar pesado nos estudos no começo de 2010. Comprei livros, assistia a videoaulas. Estudava sete horas, em média, por dia (ainda estava na faculdade). A música me deu muita disciplina.

A SEGUNDA APROVAÇÃO E A POSSE
Em março de 2010, fui contemplado com uma bolsa no Espaço Jurídico. Que felicidade! Ia para a faculdade de música pela manhã, estudava às tardes – quando não estava dando aulas de violão – e ia para o cursinho à noite. Em julho saiu o edital do MPU. Quinze vagas de técnico para Pernambuco. Das 10 matérias eu não tinha estudado sete…  Me desesperei? Não. Estudei feito um doido pra esse concurso (o edital saiu na época das férias): acordava às 5h30 e estudava até umas 17h, depois ia para o curso. Estudava de domingo a domingo, lia muito, fazia uma infinidade de exercícios, a cada 50 minutos eu descansava 10 minutos, revisava constantemente os conteúdos, tirava muitas dúvidas com os professores, fazia mapas mentais… Fiz a prova e passei em 7º lugar para Técnico do MPU! Nem acreditava no resultado! Tomei posse no cargo em dezembro de 2010.

A TERCEIRA APROVAÇÃO E A PERSISTÊNCIA
Continuei estudando para concursos, fazendo a faculdade (me formei em música em 2011.2) e trabalhando. Reprovei no último concurso para Auditor Fiscal da Receita Federal/2012. Descansei uma semana e voltei aos estudos. Reprovei para Agente Fiscal de Rendas do Estado de São Paulo/2013. Descansei uma semana e voltei aos estudos.

Nunca pensei em desistir. É inegável que depois de uma reprovação, como a que eu tive no ARFRB/2012, bate aquele desânimo, sobretudo quando se estuda tanto e se abdica de tanta coisa pelo concurso. No entanto, desde o começo dos estudos me foi dito “concurso não se estuda para passar, se estuda ATÉ passar!” Essa consciência é fundamental para que não se desista da árdua caminhada. Recentemente fui aprovado para Analista de Planejamento e Orçamento do MPU/2013 (2º lugar), mas Continuo estudando para a área fiscal, que é a minha meta. Quero ser Auditor Fiscal.

DICAS PARA A APROVAÇÃO
Orientação: tive a oportunidade de conhecer grandes concurseiros no início da minha caminhada. Dentre eles gostaria de destacar o Dr. Gustavo Massa que, juntamente com o professor Ricardo Alexandre, articulou a minha bolsa no Espaço Jurídico e me deu dicas preciosas de como estudar para concursos. Confiança. Disciplina. Persistência. Método. Estudo, estudo, estudo…

Minha dica para quem continua na luta é a seguinte: equilíbrio! Vejo muita gente falando que concurso é assim: “Estudou, passou!”. Isso é uma falácia! Estudar para concursos é um estilo, um projeto de vida. Como o resultado chega, para a grande maioria das pessoas, no médio ou longo prazo, é de suma importância que se saiba equilibrar a nossa emoção com a nossa cognição. Sem um lado emocional sadio, nenhum ser consegue manter um ritmo de estudos eficiente, perene.

No mais, disciplina, método, correção de erros de método, bons materiais, bons professores, muito exercício, revisões constantes, estudo, estudo e estudo…

AGRADECIMENTOS
Nunca vou esquecer a oportunidade que me foi dada pelo Espaço Jurídico! O curso me deu uma base espetacular! Meus agradecimentos especiais a Tiago Erhart, Gustavo Massa e Ricardo Alexandre!

Comente 1

Uma ideia sobre “DEPOIMENTO DE UM CONCURSEIRO VITORIOSO

  1. Igor Joseph

    Esse é meu primo, fico muitíssimo feliz com sua conquista que considero minha por tanto torcer pelas suas vitórias e me alegrar com as suas recompensas.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>